Lovemark: porque a sua marca deve ganhar o coração dos seus clientes?

Quando se fala em celular, qual marca vem em sua cabeça? Ou quando falamos em televisores, qual é a marca que você mais confia? As suas respostas para essas perguntas têm muito a ver com esta matéria, pois é bem provável que as marcas que você respondeu para as duas perguntas acima são as suas lovemarks. Se esse processo ocorre com você, imagina com os seus clientes. É justamente por esse motivo que a sua empresa deve ganhar o coração dos seus clientes.

O que é lovemark?

As lovemarks ou marcas do coração são aquelas que você não troca por nada nesse mundo, pois há um sentimento maior que une você, consumidor, a essa marca. O termo foi descrito pelo empresário do mundo do marketing Kevin Roberts, em seu livro Lovemarks – O Futuro Além das Marcas.

Características de uma lovemark

Roberts destaca que para uma marca se tornar uma lovemark é necessário que ela possua três características: sensualidade, intimidade e mistério.

Sensualidade: a marca deve ser capaz de aguçar os sentidos dos clientes. Isso é possível com base em características únicas, como por exemplo, um perfume exclusivo, o acabamento exclusivo (toque), o capricho no design (visual), etc.

Intimidade:  é imprescindível que a marca seja próxima do cliente, ou seja, elas se mantem conectada ao seu público-alvo. Hoje em dia é muito mais fácil com as redes sociais, por exemplo.

Mistério: um pouco de mistério é essencial para deixar seus clientes sempre a espera do que está por vir.

Como se tornar uma lovemark?

Se você chegou até aqui é porque deseja levar o engajamento do seu público ao máximo, ao ponto da escolhe pelos seus produtos/serviços ultrapassar a racionalidade. Isso é muito bom para sua marca, mas construir esse relacionamento não é fácil e exige um esforço considerável. Abaixo vamos dar algumas dicas para isso.

O primeiro passo é definir o nicho que você quer atingir. Dedique um bom tempo para estuda-lo profundamente para entender quem são as personas, o que gostam, o que não gostam, onde se encontram, o que fazem, etc. Informação é poder.

O segundo passo é criar uma estratégia de marketing que atinja justamente as emoções do seu público-alvo. Ao invés de apresentar tecnicamente por A+B porque a escolha pelo seu produto ou marca é uma decisão melhor, você pode mudar a abordagem para como as suas soluções modificam a vida das pessoas, nas sensações positivas que elas geram.

Lembra-se do mistério? Pois é, ele será muito útil nesse último passo. Quando for fazer algo novo, não revele tudo de uma vez. Deixe pistas, mostre aos poucos e desperte a curiosidade do seu público.

Viu só como criar uma lovemark é algo positivo, mas também requer muito empenho? Ter essa visão é fundamental e pode ser a diferença entre vender ou não vender, uma vez que, mais e mais players entram no mercado e os produtos e serviços se tornam cada vez mais parecidos, o apelo emocional pode ser a chave para se destacar.